Operação “Resgate” tem hoje início mas sem excesso de agentes na rua

A operação “Resgate”, que visa, entre outros objectivos, repor a autoridade do Estado, começa hoje, em simultâneo, nas 18 províncias do país, mas sem excesso de agentes nas ruas, disse, ontem, o director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Comando Geral da Polícia Nacional.

O comissário Orlando Bernardo informou ao Jornal de Angola que estão criadas as condições para o arranque da operação, que vai envolver um número de efectivos e meios técnicos suficiente para o sucesso do trabalho, cujo desfecho não tem ainda uma data definida.

Hoje, é realizada, na sede do Ministério do Interior,  uma cerimónia que marca oficialmente o início da operação “Resgate”, da qual so-bressai a sua componente pedagógica.  A operação “Resgate” vai envolver efectivos da Polícia Nacional e dos serviços de Migração e Estrangeiros (SME) e de Investigação Criminal (SIC), confirmou o comissário Orlando Bernardo.

A operação “Resgate” não visa pôr fim à venda ambulante, por ser uma fonte de sustento de muitas famílias em Angola, assegurou o comissário. Os efectivos envolvidos na operação vão ajudar a organizar os vendedores ambulantes para estes exercerem as vendas de forma ordenada e em locais apropriados.

O porta-voz do Comando Geral da Polícia Nacional garantiu que, enquanto decorrer a operação, não vai haver excesso de polícias nas ruas nem perseguição a nenhum cidadão.

O comissário pediu à população que denuncie,, junto da área de Inspecção das esquadras ou nos comandos provinciais da Polícia Na-cional, os agentes que excederem na actuação.

Um dos objectivos da  operação “Resgate”, de acordo com  o comissário, é impedir a continuação da venda de produtos em pedonais, a travessia em locais inapropriados e o comércio de acessórios de viaturas em lojas não autorizadas, espaços que estimulam o roubo e o furto de viaturas, para serem desmanchadas.

Orlando Bernardo avisou também que a comercialização de telemóveis e de cartões de recarga deve ser feita em lojas autorizadas e não na via pública, como tem ocorrido até hoje.

O garimpo de água, o roubo de cabos eléctricos e a vandalização de outros bens públicos estão também entre as preocupações do Ministério do Interior, que espera que  sejam estancadas estas más práticas na sequência da operação “Resgate”.

Trabalho pedagógico

No domingo, num encontro de esclarecimento com jornalistas, o vice-governador da província de Luanda para a área Económica e Produtiva, Júlio Vieira Bessa, declarou que a operação “Resgate” tem carácter pedagógico e deu ênfase à decisão das autoridades de travar a venda em locais impróprios e sem as mínimas condições. “Quem estiver interessado em praticar a venda ambulante, deve dirigir-se à administração municipal e fazer o cadastramento”, avisou Júlio Bessa, acrescentando que “qualquer país tem regras.”

O Governo Provincial de Luanda está a criar rotas para os taxistas devidamente identificados, informou Júlio Bessa, que disse estar prevista, no âmbito da operação, a divulgação de balanços, diário e semanal. O objectivo do ba-lanço é explicar à população o andamento da operação e corrigir “algumas falhas” que possam surgir.

No encontro, foi tornado público um levantamento feito, em Outubro, pelo Go-verno Provincial de Luanda, que concluiu estar a província de Luanda a precisar de 1.800 autocarros.

Organização na Saúde

A directora do Gabinete Provincial da Saúde de Luanda, Rosa Bessa, garantiu, no en-contro, o reforço das inspecções às farmácias e do combate à venda de remédios na via pública.

Rosa Bessa revelou que o número de pedidos de licenciamento de farmácias aumentou nos últimos dias, uma realidade que admitiu que seja resultante da anunciada operação “Resgate”. 

A directora Rosa Bessa assegurou que o Gabinete Provincial da Saúde de Luanda  “vai atrás daqueles estabelecimentos que não têm documentos nem as mínimas condições” para o exercício da actividade farmacêutica.

O director do Gabinete Provincial de Luanda da Educação, Narciso Benedito, deu ênfase à necessidade de resgate da nobreza da escola e disse não ser correcto que a venda informal seja praticada nos arredores de escolas e hospitais. O responsável pediu ainda que se trave a existência de escolas ilegais e chamou a atenção para o facto de haver unidades escolares geridas “por quaisquer pessoas” e a funcionar em espaços sem as mínimas condições.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Terça, 06 Novembro 2018 16:52
.
.
.