Escassez de combustível causa aumento do preço de táxi no Uíge

A escassez de combustível que se regista nas bombas de abastecimento há uma semana na província do Uíge está a causar a especulação de preços do taxi e autocarros que circulam na região.

Para uma viagem de táxi ou autocarro, na carreira inter-municipal e provincial, os passageiros estão a desembolsar entre cinco mil a seis mil kwanzas, contra os dois mil e 200 e três mil e 700 kwanzas praticados anteriormente.

Nos turismos, para rota interprovincial Uíge/Luanda, antes cobrava-se quatro mil kwanzas, actualmente os preços rondam de sete a oito mil kwanzas, razão pela qual as paragens registam grandes enchentes, nunca antes registadas.

“Não é normal para viajar do Uíge/Luanda, deve-se comprar o bilhete um dia antes, isto é, às cinco horas, caso ao contrário fica difícil para ter acesso ao autocarro, além disso, nota-se um excesso como algumas operadoras estão a levar os clientes, uma vez que o corredor dos autocarros neste momento serviu também de espaço ideal para aglomerar passageiros”, desabafou uma viajante, Salva Manuel Teca.

 A rota Uíge/Malange regista também um aumento do preço fixada agora a seis mil kwanzas, contra os quatro mil kwanzas na altura em que não se registava escassez de combustível.

Na cidade do Uíge, o táxi subiu a 200 kwanzas, contra os 150 antes cobrados a nível da circunscrição.

Pedro Sebastião de Melo, um dos taxistas da rota Uíge para o município do Bungo e vice-versa, explicou que leva horas e horas para conseguir abastecer o carro numa determinada bomba, facto que obriga a registar enchentes de passageiros nas paragens.

“Os cidadãos  em algumas ruas e praças estão a vender um bidom de 20 litros de gasolina no valor de seis mil kwanzas e não tendo outra opção, somos obrigados a comprar vinte litros a este preço, daí o táxi registar também um aumento”, disse o taxista que faz o trajecto Uíge-Songo e vice-versa, Nsukama Vicente.

Angop tentou contactar os responsáveis das agências de transportes, mas recusaram-se a prestar declarações. 

Rate this item
(0 votes)
.
.
.