×

Atenção

Erro ao carregar arquivo XML

Gazeta Uigense

Gazeta Uigense

João Lutonadio da Bragança

Jornalista e Redator do Diário regional Gazeta Uigense 

gazetauigense@gmail.com

O Inspector-Geral da Administração do Estado, Sebastião Gunza, declarou em Lisboa, Portugal, que o combate à corrupção em Angola vai prosseguir sem olhar para os actores.

O primeiro-ministro são-tomense manifestou hoje preocupação face à decisão da empresa Sonangol de vender as suas ações na Empresa de Combustíveis e Óleo (Enco), mas garantiu que o seu Governo vai conseguir "adaptar-se à conjuntura".

O Governo angolano abre hoje uma nova fase de candidaturas para atribuição de licença à quarta operadora de telecomunicações do país, que decorre até ao dia 08 de novembro, depois do primeiro concurso ter sido anulado.

O analista político, Belarmino Van-Dúnem, afirmou hoje que os maiores aliados de Angola no plano diplomático são os outros países africanos, mas acrescentou que a "cumplicidade" entre Portugal e Angola deve ser valorizada e interessa aos dois países.

Angola é um dos países que mais melhorou no Índice que mede os Riscos e Recompensas em África, feito pelas consultoras Risk Controls e Capital Economics, apesar de preverem uma recessão de 0,5% este ano.

A sessão de hoje está reservada para a continuação do interrogatório de Manuel antónio Nicolau, antigo ajudante de campo do gabinete do então director general Zé Maria, antigo chefe do Serviço de inteligência e Segurança Militar (SiSM)

O antigo primeiro-ministro angolano Lopo do Nascimento vai liderar a Missão de Observação Eleitoral da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições gerais em Moçambique, em outubro, disse à Lusa o secretário executivo da CPLP.

O Presidente angolano, João Lourenço, eleito há dois anos "abriu as portas" da diplomacia angolana, conquistando as simpatias de potenciais investidores, mas Angola precisa ainda de se mostrar preparada para investimento, defende o analista político Belarmino Van-Dúnem.

Os independentistas da FLEC/FAC apelaram hoje aos representantes dos países que participam na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para que a “autodeterminação do povo de Cabinda” seja abordada durante a sua reunião anual.

O presidente do grupo parlamentar da UNITA, maior partido na oposição angolana, considerou hoje que a governação de João Lourenço "infelizmente não trouxe melhorias em relação ao anterior período" e que o combate à corrupção "é paliativo".