×

Atenção

Erro ao carregar arquivo XML

Membros da FNLA ameaçam destituir Lucas Ngonda

Membros do Comité Central da FNLA deram um ultimato de quatro meses ao presidente, Lucas Ngonda, para realizar um congresso para tirar o partido da letargia em que se encontra, sob pena de ser suspenso ou destituído.

A informação foi avançada hoje em Luanda, numa conferência de imprensa orientada por Tristão Ernesto, que esteve ladeado de Suzana Paulo dos Santos, a primeira signatária da acção de impugnação, junto do Tribunal Constitucional (TC), do II congresso extraordinário do partido, realizado em Junho do ano passado, no Huambo.

Em Abril, o TC decidiu anular o II congresso extraordinário da FNLA, por irregularidades jurídico-estatutárias, tendo considerado inválidos todos os actos e deliberações adoptadas durante o mesmo. Na reacção, em Maio, o presidente do partido, Lucas Ngonda, anunciou, para Abril do próximo ano, a realização de um novo conclave, no caso o quinto com carácter ordinário.

Entretanto, dias depois, o porta-voz do partido, Jerónimo Makana, anunciou a realização do congresso para Janeiro do próximo ano. No último dia do mês de Maio, foi a vez do secretário-geral, Pedro Mucombe Dala, que recuou no calendário e apontou o último trimestre do ano em curso para a realização do magno encontro. Mas as diferentes datas avançadas parecem levantar desconfianças nas hostes dos membros do comité central contestatários à actual direcção.

Para Tristão Ernesto, este comportamento da direcção da FNLA demonstra “falta de seriedade e abuso de poder”, sobretudo por ter sido uma “decisão unipessoal”, sem consultar o comité central, órgão estatutário competente. Aliás, o político lembra que o acórdão 543/2019, de 16 de Abril, lamenta tal atitude.

“Infelizmente, o presidente continua a refugiar-se nos órgãos ilegais saídos do II congresso extraordinário do Huambo para tratar de assuntos importantes do partido”, denunciou Tristão Ernesto, para, mais adiante, questionar: “qual é a verdadeira data para a realização do quinto congresso? Qual é o órgão competente que autoriza o presidente a convocar o congresso?”

Tristão Ernesto considerou que, à luz do último acórdão do TC, Lucas Ngonda é apenas presidente interino da FNLA, pois, a contar da data do acórdão do TC (19 de Abril) tinha entre três e seis meses para realizar um novo congresso.

“Estamos (agora) a quatro meses da realização do quinto congresso ordinário que deve, necessariamente, ter lugar em Outubro deste ano, sob pena de o Tribunal Constitucional não aferir nem anotar qualquer acto que a FNLA venha a realizar após este prazo”, alertou.

Tristão Ernesto afirmou que, estatutariamente, o comité central está acima do presidente do partido e pode accionar os mecanismos para a sua suspensão, caso Lucas Ngonda não realize o congresso antes de Outubro deste ano. A sanção, sublinhou, pode passar à destituição, por circunstâncias agravantes.

Segundo Tristão Ernesto, com a realização do quinto congresso ordinário da FNLA em Outubro, o partido estará em condições de melhor preparar a sua participação nas próximas eleições autárquicas, previstas para o próximo ano. Caso contrário, admitiu, a FNLA corre o risco não só de ter um péssimo resultado, mas também de ser extinta.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Sexta, 07 Junho 2019 20:24
.
.
.