×

Atenção

Erro ao carregar arquivo XML

Antigo PM guineense confiante na justiça para esclarecer paradeiro de 12 milhões de USD doados por Angola

Gomes Júnior disse confiar na Justiça do país, caso pretenda esclarecer o paradeiro e a utilização dos 12 milhões de dólares que Angola doou ao país em 2012, como apoio orçamental.

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau Carlos Gomes Júnior disse hoje confiar na justiça do país, caso pretenda esclarecer o paradeiro e a utilização dos 12 milhões de dólares que Angola doou ao país em 2012, como apoio orçamental.

Em curtas declarações aos jornalistas, à saída de mais uma reunião com os seus apoiantes que o incentivam a concorrer às próximas eleições presidenciais, marcadas para 24 de novembro, Gomes Júnior mostrou-se confiante na justiça, apesar de não se querer pronunciar muito sobre as declarações do Presidente do país, José Mário Vaz.

Em entrevista à Lusa e RTP, José Mário Vaz afirmou ser o momento oportuno para que o Ministério Público averigue a utilização e o paradeiro dos 12 milhões de dólares (10,7 milhões de euros) doados por Angola uma vez que os protagonistas estão todos no país, referindo-se a si próprio (era, na altura, ministro das Finanças), aos então secretários de Estado do Orçamento e Assuntos Fiscais e do Tesouro, a Carlos Gomes Júnior (então líder do Governo) e a sua filha, funcionaria sénior de um banco onde o dinheiro foi depositado.

Sobre este posicionamento do atual Presidente guineense, o antigo primeiro-ministro preferiu não entrar em polémicas, mesmo ao ser confrontando com o facto de José Mário Vaz ter apontado a sua filha no caso do suposto desaparecimento dos 12 milhões de dólares de Angola.

“Nós não nos pronunciamos sobre este aspeto. Cada um é livre com a sua consciência para se pronunciar”, afirmou, em crioulo, Carlos Gomes Júnior.

O antigo primeiro-ministro pediu aos guineenses que “tirem o ódio do coração” e que se unam à volta do trabalho da reconstrução do país, que disse ser o mais importante neste momento.

Questionado sobre se estaria disposto a esclarecer na justiça os contornos da utilização dos fundos doados ao país por Angola, Gomes Júnior disse estar “pronto e confiante” na justiça guineense e lembrou ser um “homem de paz”.

Rate this item
(0 votes)
.
.
.