×

Atenção

Erro ao carregar arquivo XML

General "Zé" Maria reclamava propriedade do acervo literário

O chefe da Direcção de Guerra Electrónica do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM), tenente-general Alberto Noé Alfredo, afirmou hoje, em Tribunal, que o ex-chefe, general António José Maria, sempre disse que todo o acervo literário que existiam na instituição era seu.

O tenente-general Alberto Alfredo foi hoje ouvido pelo Supremo Tribunal Militar (STM) na qualidade de declarante do processo em que o ex-chefe do SISM, general António José Maria, é julgado pela suposta prática de crimes de extravio de documentos, aparelhos ou objectos que contêm informações de carácter militar, bem como insubordinação.

Alberto Alfredo confirmou que, depois ter sido exonerado, José Maria levou consigo documentos que tinham carácter "muito secreto". “Depois da sua exoneração, o general José Maria levou todo este acervo consigo, nomeadamente mapas, quadros e livros com a legação de que tudo era sua pertença”, afirmou o declarante, sublinhando que nem todos os documentos foram levados pelo antigo "patrão" da "secreta militar".

Questionado pelo juiz das razões que o levam à conclusão de que os documentos levados pelo general "Zé" Maria eram secretos, o tenente-general Alberto Alfredo disse que se tratava de "documentos reservados", cujo acesso não era do domínio público, mas sim militar. O declarante acrescentou que se tratava de "informações sigilosas", tanto para Angola, como para África do Sul. "Toda a documentação que vinha da África do Sul, através do agente externo, tinha o timbre na língua inglesa 'stop secret'. Os documentos vinham já da África do Sul como classificados", sublinhou.

Sérgio Raimundo, advogado do general Zé Maria, quis saber que lei angolana define o critério de classificação de documentos. O tenente-general Alberto Alfredo disse conhecer vagamente. O causídico questionou ainda se os documentos referentes à batalha do Cuito Cuanavale tinham a ver com a actividade das Forças Armadas Angolanas. O declarante respondeu afirmativamente.

Confrontado com as declarações constantes nos autos, segundo as quais a natureza da documentação retiradas do SISM podiam afectar as relações de amizade entre Angola e a África do Sul, Alberto Alfredo esclareceu que aquela documentação tinha carácter sigilosa por conter aspectos de carácter secreto referentes à referida batalha.

O declarante disse não ter visto o general José Maria a retirar a documentação do SISM, mas presume que a operação tenha sido feita no período nocturno. Alberto Noé Alfredo indicou o general José Maria como a pessoa que se encarregava de guardar toda a documentação secreta. “Os documentos de carácter secreto estavão estritamente sob a aguarda do general José Maria", disse.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Quarta, 25 Setembro 2019 10:06
.
.
.

Previsão do Tempo

Uige